GAIA-lead

Global Aquatic Ingredient Assessment™ (GAIA)

O que é GAIA?


A sua segurança e a segurança do nosso planeta são a nossa prioridade. Nossos cientistas trabalham incansavelmente para melhorar continuamente o impacto de nossos produtos no meio ambiente e, ao mesmo tempo, fornecer os melhores resultados possíveis para as famílias que usam nossos produtos todos os dias. É por isso que, há alguns anos, a Johnson & Johnson Consumer Health, em colaboração com especialistas externos e uma ampla gama de partes interessadas, criou e patenteou uma ferramenta que chamamos de protocolo Global Aquatic Ingredient Assessment™ (GAIA).  GAIA nos ajuda a avaliar o potencial impacto ambiental dos ingredientes em nossos produtos para informar melhores escolhas.

O que torna o GAIA único e distinto de outras ferramentas e modelos de avaliação é que ele agrega dados de uma infinidade de fontes internas e externas, incluindo estudos científicos com revisão por pares e bancos de dados governamentais. Esta ferramenta patenteada é um conceito inovador que permite uma visão abrangente tanto dos ingredientes quanto das formulações de produtos, o que nos permite melhorar continuamente nossos produtos – ao contrário de muitos modelos que às vezes concentram-se apenas em um ou alguns aspectos dos produtos quando avaliam o impacto ambiental.


Também existe uma crença comum entre o público em geral de que ingredientes totalmente naturais são bons para o meio ambiente e todos os sintéticos são ruins para o meio ambiente. Trata-se de uma generalização, obviamente. Em níveis elevados ou em locais errados, até mesmo substâncias naturais, como metais pesados ou micro-organismos, também causam preocupações quanto ao meio ambiente. E em muitos casos, os materiais feitos em laboratório podem ser projetados com propriedades e desempenho ambientais superiores. É por isso que GAIA foca em propriedades e não em preconceitos.



Como o GAIA é usado?


O GAIA analisa o impacto que um ingrediente pode ter no ambiente aquático, com foco nas espécies de peixes e plantas que vivem lá. Ele classifica os ingredientes em uma escala de 0 a 100, sendo 100 a melhor pontuação ambiental. Ingredientes com pontuação de 80 ou superior indicam ter impacto potencial mínimo em nossos pântanos, rios, lagos e estuários costeiros, enquanto ingredientes com pontuação de 60 a 79 indicam que têm baixo potencial de impacto em meios aquáticos. Ingredientes com pontuações abaixo de 60 requerem revisão adicional, avaliação de risco e, em alguns casos, testes ambientais adicionais.

Avaliamos quase todos os nossos ingredientes usando a ferramenta GAIA e estamos trabalhando para finalizar a pontuação dos ingredientes restantes. Em alguns casos, as pontuações do GAIA ajudaram a orientar as decisões sobre quais ingredientes remover de nosso portfólio e quais requerem mais informações para que você se sinta bem ao saber que nossos produtos os contêm. Esse processo oferece suporte a uma ampla gama de programas de segurança, administração e sustentabilidade. Por exemplo, o GAIA ajuda nossos formuladores a tomar decisões inteligentes sobre os melhores ingredientes que ajudam a criar formulações mais ecológicas. Quando avaliamos ingredientes como parte de nossa melhoria contínua de produto, usamos o GAIA para identificar áreas para avaliações de risco ambiental e políticas relacionadas para produtos atuais e futuros. O GAIA também nos ajuda a responder às suas perguntas relacionadas ao desempenho ambiental de nossos produtos e seus ingredientes.

Para maximizar a melhoria que proporcionamos do impacto ambiental de nossos produtos, também compartilhamos dados do GAIA com nossos fornecedores sobre seus ingredientes – comerciais ou em desenvolvimento –, para que eles também possam desempenhar um papel importante no contexto de nossas plataformas de inovação e colaborações de fornecedores.

O GAIA e sua abordagem são uma forma transparente não apenas de compartilhar com os consumidores o que está em seus produtos e no planeta, mas também é uma forma de compartilharmos com o resto do setor as melhores hipóteses de nossos cientistas e de cientistas externos sobre como todos podemos trabalhar juntos para melhorar e reduzir nosso impacto no planeta.


Como o GAIA funciona?

1. COLETA DE DADOS
O processo GAIA calcula a pontuação de um ingrediente usando o que sabemos sobre as propriedades de persistência*, bioacumulação e toxicidade (PBT) de um ingrediente, usando propriedades químicas intrínsecas de tal modo que as pontuações sejam consistentes ao longo do tempo, independentemente do fornecedor.

Existem dados das propriedades P, B e T para um grande número de nossos ingredientes, de modo que o GAIA torna possível fazer comparações diretas e encorajar os formuladores a escolher os melhores ingredientes quando todo o resto é igual. Essas informações vêm de várias fontes, incluindo o setor e instituições públicas, como o TOXNET do Instituto Nacional de Saúde dos EUA e o banco de dados da Agência Europeia de Produtos Químicos.
2. CONVERSÃO DE DADOS EM UMA PONTUAÇÃO NUMÉRICA
Os dados de cada uma das propriedades P, B e T são convertidos em uma escala de 100 pontos e, em seguida, combinados para criar uma pontuação PBT agregada para o ingrediente: 50% de persistência, 25% de bioacumulação e 25% de ecotoxicidade. A persistência é considerada mais alta porque a degradação rápida limita os efeitos da bioacumulação e da ecotoxicidade.

3. CÁLCULO DA PONTUAÇÃO DE INGREDIENTES
A pontuação final é um único número entre zero e 100. Uma pontuação mais alta significa características de segurança ambiental mais favoráveis.

Em alguns casos, os dados publicados não estão disponíveis e, por isso, usamos dados de modelos e as pontuações são reduzidas para a incerteza (por exemplo, quando modelos in silico são usados para preencher lacunas nos dados empíricos).

4. CÁLCULO DA PONTUAÇÃO DO PRODUTO FINAL
Além dos ingredientes, o GAIA usa uma média ponderada de massa de todos os ingredientes em um produto para gerar a pontuação do produto acabado (FPS). A escala de 100 pontos é usada para orientar as decisões sobre o lançamento do produto.

A persistência refere-se ao tempo que leva para algo quebrar. Se algo é facilmente biodegradável, então decompõe-se rapidamente em micro-organismos biológicos no ambiente (ou rede de esgoto). Algumas coisas também podem se decompor quando expostas ao ar (oxidar) ou à luz solar. Minerais e materiais como areia podem ficar menores, mas não alteram sua composição química, portanto, são geralmente considerados persistentes. É por isso que também consideramos outros aspectos, como a bioacumulação, que é uma medida para determinar se um ingrediente é absorvido a uma taxa mais elevada do que é metabolizado ou excretado. Alguns produtos químicos se acumulam em um organismo com o tempo, e isso pode aumentar conforme você sobe na cadeia alimentar. Se esses produtos químicos estão associados com a toxicidade, então o problema piora com o tempo e o agente tóxico passa para outros organismos. É por isso que avaliações PBT típicas olham para diferentes níveis ecológicos – organismos modelo são algas, um pequeno crustáceo aquático e peixes.